terça-feira, julho 03, 2012

Limites nas crianças!

            A importância de dar limites           

Uma educação com regras faz do seu filho uma pessoa mais preparada dentro e fora da sala de aula

12/06/2012 16:39
Texto: Bárbara Tourinho
http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/importancia-dar-limites-688424.shtml






 

        Criança irritante, mal- educada, pirracenta, achando que pode tudo... Por mais fofa que ela possa ser, não há quem aguente conviver, nem que seja por alguns instantes, com criança sem limite. Mas, na grande maioria, esses monstrinhos não se criam sozinhos.
Por trás deles, existe um adulto responsável, seja ele pai, mãe, tios, avós... Uma pessoa que, em vez de educar, fortalece ainda mais os maus hábitos da criança. E, quando isso acontece, o resultado é aluno indisciplinado, com baixo rendimento escolar e uma dificuldade grande para se adequar às regras da escola.
            
"Educar filho é uma das coisas mais sérias do mundo. Uma das tarefas mais difíceis da vida é educar um indivíduo. Mas quem ama cuida. Criança não pode encher o saco de ninguém, tem que saber se comportar em qualquer lugar. É horrível criança mal-educada. Sou contra essa coisa de que criança pode tudo", desabafa Cissa Guimarães.

      Segundo a atriz, a boa educação que teve, e que foi repassada para os filhos, fez toda a diferença para que ela tivesse sucesso na vida. "Quando eu era criança, não fui educada com nenhuma psicologia. Era ‘cala a boca’ e pronto. Eu também questiono essa coisa de explicar muito. Não pode por causa disso, não pode por causa daquilo... Não quero, porque não quero! Onde já se viu isso? Eu sou sua mãe e você vai me respeitar! Criança precisa e pede limites. E olha que eu dou limite até hoje! Meu filho Tomaz está com 30 anos e, se discordar de algo que ele tenha feito, eu encaro briga mesmo! Não dou mole, não!", brinca Cissa.

Equilíbrio é fundamental

      Segundo Cláudia Tavares de Oliveira, psicopedagoga do Rio de Janeiro, tanto a falta quanto o excesso de limites são bastante prejudiciais ao aluno.


"Em primeiro lugar é bom deixar bem claro que a família não pode transferir à escola a responsabilidade de educar uma criança. A família é e sempre será a base para que ela cresça saudável e enfrente muito bem todos os desafios da vida. Se a criança não tiver limites em casa, com certeza, isso irá interferir em seu rendimento escolar e na sua adequação comportamental. Se o aluno, mesmo vindo de uma família desestruturada, se identificar com o professor, pode ser que se saia bem nos estudos. A escola é uma das primeiras instituições do aluno, mas é a família que vai transmitir à criança as regras sociais que ela vai levar para o resto da vida", explica a especialista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião: