segunda-feira, novembro 05, 2012

Cão-guia


Dispõe sobre o direito do portador de deficiência visual de ingressar e permanecer em ambientes de uso coletivo acompanhado de cão-guia.

Entre e confira a lei!!!! Dispinível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/Lei/L11126.htm


Os cães-guia auxiliam pessoas deficientes visuais a se locomover sem a ajuda de outras pessoas. Os cães-guia, um dos tipos mais familiares de trabalho canino, oferecem um serviço inestimável ao ser humano. Todos os dias, ajudam seus donos a chegar a vários lugares de maneira mais segura.

A maioria dos cães-guia é das raças retrievers labradores, retrievers amarelos ou pastores alemães. Estas três raças são caracterizadas pela inteligência, obediência, força e afabilidade e por isso são muito adequadas para o trabalho. As escolas de cão-guia criam seus cães com muito cuidado, escolhendo os pais com inteligência e habilidade especial de guia.

A primeira tentativa sistemática de treinar cães para ajudar a povos cegos veio ao redor de 1780 no hospital para cegos “Les Quinze-Vingts”, em Paris. Pouco depois, em 1788, Josef Riesinger, um fabricante cego de Viena, treinou um spitz tão bem que as pessoas freqüentemente duvidavam de que ele era cego.

A história moderna do cão-guia, entretanto, começa durante a primeira guerra mundial, quando milhares de soldados estavam retornando cegos, devido a gases venenosos. Um doutor alemão, Dr. Gerhard Stalling, teve a idéia de treinar cães em massa para ajudar àqueles afetados. Um dia, quando andava com um paciente pelo hospital, ele foi chamado urgentemente, deixando o seu cão na companhia do paciente. Quando retornou, ele teve a impressão distinta da maneira que o cão se comportava e como olhava o paciente cego.

Os instrutores de cão-guia procuram por diversas qualidades, incluindo: inteligência, vontade de aprender, habilidade de se concentrar por períodos longos de tempo, atenção a toques e sons, boa memória e excelente saúde.

O treinamento é um processo rigoroso tanto para o instrutor quanto para os cães, mas é também muito divertido. Para ter certeza de que os cães estão aptos ao desafio, a maioria das escolas os testa por um longo período antes de começar o treinamento. Os testes são projetados para avaliar o nível de autoconfiança, já que somente cães extremamente confiantes são capazes de lidar com a pressão da instrução de guia. Se um cão passa nos testes, começa o programa de treinamento imediatamente.

Os cães-guia aproveitam imensamente seu trabalho e ficam muito satisfeitos com um serviço bem feito. Porém, não há espaço para a diversão durante o dia de trabalho. Claro que o cão-guia brinca, se distrai e recebe elogios do seu acompanhante por realizar os percursos. Mesmo quando o acompanhante não precisa de assistência, um cão-guia dedicado ao serviço é treinado para ignorar distrações e não se mexer. Isto porque um cão-guia deve ser capaz de entrar no ambiente de trabalho do acompanhante ou ficar em locais públicos sem perturbar.

  E como devemos agir diante de um cão-guia?

- Primeiramente deve encará-lo como um cão que está trabalhando e não como um animal de estimação;
- Quanto mais ignorá-lo, melhor será para ele e para o seu dono;
- Não toque e nem acaricie o cão-guia, enquanto ele está trabalhando;
- Não tema o animal, ele foi treinado a não fazer mal sem motivos;
- Se você estiver acompanhado com o seu cão, controle-o para evitar acidentes quando passar perto do cão-guia;
- Não ofereça alimentos ao cão-guia;
- Quando se dirigir à pessoa cega, fale diretamente com ela e não fale com o cão-guia;
- Ao aproximar-se de uma pessoa cega, chegue pelo lado direito, deixando o cão-guia em seu lado habitual, o esquerdo;
- Não se antecipe ou pegue no braço da pessoa cega acompanhada de um cão-guia, sem antes conversar com ela;
- Nunca toque na guia do cão-guia;
Os cães-guia têm o mesmo direito que os seus donos, de ter o livre acesso a locais públicos.
 
O áudio recomendado está no seguinte endereço do portal do professor:
Inclusão
http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnica.html?id=1380

Cão Guia para Deficientes Auditivos 07/03/2012


Uma notícia na Folha de São Paulo informou que uma instituição de caridade britânica iniciou um projeto piloto para treinar e doar cães guia para crianças com problemas de audição. No último ano, a instituição Cães Guia para Surdos deu 12 cães para crianças deficientes e uma delas foi o xuxuzinho do James Cheung, o menino de 11 anos da foto.
O cãozinho do James é um labrador e se chama Kurt. O Kurt chama sua atenção quando ele precisa acordar de manhã, quando sua mãe o chama e em situações de perigo, como quando um alarme de incêndio dispara. O Kurt foi treinado para responder a certos sons e ordens e, segundo a família de James, seu comportamento mudou muito após a chegada do animal porque ele se tornou mais independente e confiante, além de ter desenvolvido um ótimo relacionamento com o bichinho. Há, então tá, né? Não podia ser mais da Vibe!
Na real essa é uma iniciativa americana e já se espalhou pelo mundo. Na Espanha (Catalunha), uma outra organização recupera os cachorrinhos de rua, dá o treinamento adequado e doa os bichinhos aos deficientes auditivos. Então é isso. O Vibe incentiva e fica na torcida para que esta onda de amor desinteressado chegue logo até o Brasil!

Fonte: http://vibedoamor.com/2012/03/07/cao-guia-para-deficientes-auditivos/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião: