sábado, novembro 17, 2012

PLANEJAMENTO MOTOR

O planejamento motor ou praxia é o resultado de um processamento sensorial organizado, pois a partir das informações sensoriais podemos planejar e executar ações desconhecidas. Se em nossas atividades diárias encontramos uma atividade desconhecida, que nunca executamos antes, vamos automaticamente organizar todas as informações sensoriais que já temos e assim, planejar e executar esta nova tarefa. Por exemplo: ao participar de um jogo de bola, nós recorremos a todas as informações sensoriais (visuais, proprioceptivas, vestibulares, táteis, auditivas e etc.) já vivenciadas para planejar e executar esta atividade desconhecida. Quando a criança brinca com uma caixa de sapatos, por exemplo, pode imaginar que ela seja um berço para a boneca (ideação), pensar em como pode transformá-la em um berço (planejamento) e finalmente fazer a transformação (execução). Para a criança que tem dificuldade em planejamento motor, uma caixa será sempre uma caixa devido à dificuldade no planejamento motor.

Foto: http://johannaterapeutaocupacional.blogspot.com.br/2012/08/dicas-de-brincadeiras-em-grupo_21.html

  Mas o que acontece se nós não conseguimos processar as informações sensoriais?

Quando há dificuldade no planejamento motor, observamos que o aprendizado de tarefas novas não acontece de forma automática, pois faltam informações sensoriais para que isso venha a ocorrer. Estas dificuldades podem envolver o campo da ideação, planejamento e/ou da execução de atividades. Assim, tarefas de imitação, a aprendizagem de gestos, o planejamento de uma brincadeira passam a ser problemas para a pessoa.

A dificuldade em planejar e executar tarefas desconhecidas se traduz em comportamentos como:

- escolher sempre os mesmos brinquedos, preferencialmente aqueles que têm um papel claro;
- passar de uma atividade a outra com frequência, não concluir atividades;
- ao desenhar, fazer sempre as mesmas figuras;
- ser desajeitado, esbarrar em tudo que encontra;
- ter dificuldade de pegar uma bola, antecipar um movimento;
- preferir muitas vezes atividades mais sedentárias;
- apresentar dificuldades na alimentação, vestuário e higiene pessoal;
- apresentar dificuldades na imitação;
- evitar situações novas, frustrar-se facilmente;
- preferir seguir rotinas.
- dificuldade em julgar a força necessária para tocar uma pessoa ou um objeto.

Á medida em que o processamento sensorial se torna mais organizado e se consegue uma melhor integração sensorial percebe-se progresso no planejamento motor. Muitas vezes o primeiro sinal desse progresso é uma ligeira melhora na auto-estima e mais vontade de tentar fazer coisas que não se animava a fazer anteriormente. Embora frustrante, é importante entender essa criança. Usar adjetivos para qualificá-la muitas vezes contribui ainda mais para torná-la infeliz e sentir-se incompetente. Sendo uma criança de inteligência normal ela já será seu juiz mais severo e provavelmente se considerará incapaz. É fundamental ajudá-la a entender seu próprio problema e desenvolver estratégias para conviver com ele até que o problema diminua e ela se sinta mais segura. Os esforços em entender integração sensorial por parte da família, escola e outros que convivem com a criança já são meio caminho andado para a solução do problema.

Fonte: Ariela Goldstein via Autismo 
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=245415482254058&set=a.172436099551997.36050.172397142889226&type=1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião: