quarta-feira, março 20, 2013

Univali inicia terapia com auxílio de cães

19 de Março de 2013.

Associação Pequenos Doutores aceita voluntários
Cacau auxiliando nos exercícios. Fotos: Nicolle Lira
Itajaí - A Universidade do Vale do Itajaí (Univali) e a Associação Pequenos Doutores iniciam no curso de Fisioterapia, a terapia assistida por animais (TAA). Pacientes da neuropediatria e da ortopedia (que passaram por amputação), participarão de atividades terapêuticas propostas por profissionais qualificados que terão cães como auxiliares em tratamentos psicológicos e de fisioterapia.
A iniciativa ainda está no começo e conta com dois cães, Tuca e Cacau. O projeto pretende trazer novos voluntários e seus cães para ampliação do trabalho. Nesta quarta-feira, dia 20, às 19h, na sala 203, do Bloco F5, do Campus Itajaí, será feita uma palestra para apresentar o projeto aos interessados que quiserem atuar como voluntários na Pequenos Doutores.
De acordo com Maria Paula Mellito da Silveira, bióloga e diretora da associação, o trabalho baseia-se em pesquisas científicas que comprovam que o contato direto com os animais melhora significativamente a qualidade de vida dos pacientes, havendo cura mais rápida, melhora nos índices de problemas psicológicos e diminuição de estresse e do tempo de hospitalização.
“O simples movimento de escovar o cachorro e aplicar pressão na mão para firmar a escova, já faz parte da fisioterapia. As pessoas fazem o exercício sem perceberem, e de maneira mais lúdica”, exemplifica Maria Paula.

PARA SER VOLUNTÁRIO

A Associação Pequenos Doutores conta com apoio de um adestrador e de um veterinário. Antes do contato com os pacientes os “cães voluntários” passam por um rigoroso controle de saúde e avaliação de comportamento.
“Um cão que interage melhor com crianças do que com idosos só será levado a interagir com criança, e vice-versa”, aponta à diretora. Alguns testes são conduzidos pelos adestradores para avaliar temperamento e conduta do cachorro. A cada três meses os animais também tem que passar por avaliação veterinária. “Não queremos levar riscos, só benefícios”, ressalta.

Com a presença dos cães, fisioterapia torna-se atividade lúdica.
DESCOBRINDO OS " PEQUENOS DOUTORES"

Cacau, uma das “doutoras” do projeto, foi encontrada magra e abandonada em um sítio, em outubro do ano passado. A vira-lata com mistura de labrador foi resgatada, levada ao veterinário e adotada pela bióloga Ariana Weber, integrante da Pequenos Doutores.
“A Cacau é muito dócil, quer atenção e gosta das pessoas. Ela tem o perfil ideal para participar da terapia”, relata a dona. Segundo ela, cães de todas as raças podem auxiliar as terapias, desde que se conheça seu temperamento e tenha donos comprometidos e responsáveis para acompanhar os processos.
Tuca, a outra “terapeuta”, também tem o temperamento dócil. Ela veio de São Paulo, de um dos canis mais renomados da raça labrador no Brasil. Antes de ser trazida para a Pequenos Doutores e morar com Maria Paula, Tuca foi escolhida por uma adestradora experiente, que trabalha com Terapia Assistida por Animais (TAA),  e a preparou por 45 dias para o trabalho com os pacientes.
Mais informações: (47) 3341-7951, laboratório de fisiologia, com Maria Paula Mellito da Silveira, professora da Univali e diretora da Associação Pequenos Doutores ou Ariana Weber.

Fonte: http://www.univali.br/default.aspx?P=64&A=open:news:item:12324&S=1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião: