sábado, agosto 31, 2013

Programa Educação Brasileira trata do tema Inclusão Escolar com Maria Teresa Mantoan

Fonte: http://univesptv.cmais.com.br/educacao-brasileira/educacao-brasileira-127-maria-teresa-mantoan-e-virginia-marino

O Programa Educação Brasileira trata hoje do tema Inclusão Escolar. Como a questão tem sido tratada nas escolas brasileiras? E o Plano nacional de Educação? O que ele prevê para este assunto? Para responder estas e outras questões, participam da discussão Maria Teresa Mantoan, da Faculdade de Educação da Unicamp, e Virgínia Marino, do Departamento de Ações Educacionais da Secretaria de Educação de São Bernardo do Campo.

terça-feira, agosto 27, 2013

Atividade para grupo de crianças: pintura de rabiscos!!

18/07/2013 por 0

Muitos trabalham em grupos e, às vezes, precisam de novas e simples ideias de atividades. Vamos lá..
O que você precisa:
Lápis preto para fazer os contornos. 
Lápis coloridos para as crianças pintarem. 
Cartolina ou outro papel grande que as crianças possam dividir. 
Como fazer:
O terapeuta pode fazer uma série de riscos contínuos e curvilíneos de forma a criar espaços de interseção entre os riscos. Depois define-se quem vai pintar cada espaço ou vai usar determinada cor (o terapeuta define isso, de acordo com as necessidades do grupo).

ideia4 
 ideia

No final, vai ter uma obra única feita em conjunto!! <3

ideia 3 http-::fairydustteaching.com:2012:02:collaborative-groups:.jpg
Imagens: Pinterest Reab
Fonte:  http://www.reabilitacaocognitiva.org/2013/07/atividade-para-grupo-de-criancas-pintura-de-rabiscos/

Formação em serviço - PPP CEMESPI

Abertura com diretora Cristiane
Equipe
 
 
Palestra do nossa Psicóloga Daysi Patrícia
 

Equipes para estudo por área: administrativo
Psicologia
AEE
Fonoaudiologia
Fisioterapia
Agentes
Apresentação das conclusões por grupos - Representante Psicologia - Fernanda

Fono - Mariana
Psicopedagogia - Daniela
AEE - Carolina
 
Docinho da Supervisora Daisy

segunda-feira, agosto 26, 2013

"Pra ser Feliz" - Daniel


Vídeo exibido hoje na palestra "Boas Experiências no Atendimento Educacional Especializado" da X Semana da Pessoa com Deficiência Profª da Sala Multi Olindina.

X Semana da Pessoa com Deficiência

A programação de hoje da X Semana da Pessoa com Deficiência contou com as seguintes atividades:

Espetáculo Teatral: Um dia, três contos populares do sul do Brasil
Com o artista: Cidival Batista Júnior

Apresentação do Software para Complemento ao atendimento ao Aluno com Paralisia Cerebral e com Dificuldade de Linguagem - Professor Doutor Alejandro Rafael Garcia Ramirez

Boas Experiências no Atendimento Educacional Especializado:
- Sala Multifuncional do CEMESPI - Profª Aucione Maria Vieria
- Sala Multifuncional E. B. Arnaldo Brandão - Profª Olindina
- Sala Multifuncional G .E. Elisa Gessele Orsi - Profº Ronan Pinheiro

Local: Secretaria de Educação - Auditório Prof. Luiz Carlos Schmitt Carvalho


 
 
 

Vídeo "Entre Rodas e Batom"

Vídeo campanha para a ONG "Entre Rodas e Batom" feito por alunos da ECA-USP.

 Acesse: https://vimeo.com/68968827 

 

Direção: Paulo Chou
Conceito: Lilia Quinaud
Roteiro: Denis Mercaldi
Atriz: Natália Tonello
Edição: Paulo Chou / Lilia Quinaud
Produção: Alexandre Vaz / Bruno Abbate / Denis Mercaldi / Natália Tonello
Contato ONG: Eliane Lemos
____
Música:
Edward Shape & The Magnetic Zeros - Man on Fire
Agradecimentos:
Studio Ninja (Equipamentos)
Roda Viva (Equipamentos)
Empório Dona Julia (Locação)
Andrea França (Locação)
Translation:
"This is her view. / This is yours. / Disability is a matter of perception."

Maria Teresa Mantoan - Sobre o repasse de recursos para as APAEs

Por Maria Teresa Mantoan.

Minha opinião é a de sempre: os alunos da Educação Especial devem ter garantido o seu direito de serem escolarizados em escola comuns, como está disposto na Constituição Brasileira/88 e na Convenção da ONU sobre o Direito das Pessoas com Deficiência. O PNE deve assegurar esse direito e ponto final.
Nada disso tem a ver com repasse de recursos para as APAEs . Esse é um outro assunto, que tem de ser discutido a partir do novo papel das APAEs e atividades congêneres, deverão assumir, qual seja o atendimento clínico aos alunos da Educação especial como e principalmente a SALVAGUARDANDO OS DIREITOS, inclusive o da educação escolar inclusiva a seus assistidos, como proclama a nossa Lei Maior.

O problema é que os dirigentes e políticos que se encarregam dessas instituições apelam, misturam o direito à educação inclusiva a repasse de verba e isso tem de ter um fim.

Temos percebido cada vez mais que essa instituições não estão preocupadas ou em busca de se adequarem à Política Nacional de Educação Especial , mas lutando para se manterem como estão, assim como seus interesses financeiros. E estão jogando pesado, envolvendo e expondo seus próprios assistidos para não perderem seus privilégios.

Fonte:  http://www.federacaodown.org.br/site/index.php/noticias/366-maria-teresa-mantoan-sobre-o-repasse-de-recursos-para-as-apaes.html


Para complementar a informação à cima.

Procura-se um grilo falante (sobre as Apaes e as mentiras)

Por Manuel Vazquez Gil

Algumas pessoas falam por aí (e por aqui) que o governo quer acabar com o repasse financeiro para as Apaes, e que é preciso derrubar a meta 4 para impedir esse “apaecídio”. Segundo o Ministério da Educação, a verba que sustenta as Apaes costuma ter cinco fontes: 1) convênio com o SUS; 2) Fundo Nacional de Assistência Social; 3) FUNDEB; 4) Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação; 5) doações espontâneas. Dessas fontes, a 3 e a 4 vêm do MEC.

A meta 4 do Plano Nacional da Educação prevê pagar a dupla matrícula (uma para a escola regular onde a criança estuda, outra de igual valor para a escola especial que serve de complemento). Propõe universalizar a inclusão na escola regular, sem extinguir o caráter complementar da escola especial, mas sem permitir que seja substituta.

Ou seja; o MEC não se nega a pagar a manutenção da criança que efetivamente esteja estudando na Apae, desde que esteja também matriculada numa escola regular. Não acho que seja tão dúbio assim. Até eu mesmo entendi…

Em 2009, o MEC repassou à Apae R$ 282.271.920,02. Em 2010, R$ 293.241.435,80 (relativos ao FUNDEB) + R$ 53.641.014,94 (relativos ao FNDE, para livros e merenda).



Veja o gráfico acima, publicado na Revista Educação. Ele mostra a evolução das matrículas de crianças com deficiência nas escolas regulares e nas especiais. Faço um resumo: em 1998, dos 337.300 alunos público-alvo da educação especial, 293.400 estudavam na Apae (87%) e 43.900 (13%) em escolas regulares. Em 2009, a relação se inverteu: 276.000 (40%) estudavam na Apae e 420.000 (60%), nas escolas regulares (os números de 2009 são aproximados por estimativa da curva, porque não tenho o recenseamento).

Em 2010, dos 702.600 alunos, 218.000 (31%) estudavam na Apae e 484.300 (69%) na escola regular. É uma curva histórica, ascendente para a inclusão na escola regular e descendente para a Apae, devido às políticas de inclusão do MEC e da conscientização crescente da sociedade.

Agora vem a pergunta: você não acha que o gestor público tem que fazer bom uso do dinheiro que sai do nosso suado trabalho? Acha justo que pague por criança não matriculada? É correto o MEC destinar uma verba bruta, sem considerar o público beneficiado? Queremos ou não transparência e honestidade nos gastos públicos?

Se respondeu sim para essas perguntas, e tenho certeza de que respondeu sim, então explique o raciocínio para defender que, à medida que o público da Apae diminui, as verbas aumentam. Ah, dirá você, isso não é defensável! Então como defender o direito das Apaes continuarem recebendo verbas por alunos que não possuem?

Veja bem, o Plano Nacional da Educação – PNE NÃO propõe terminar com as Apaes e se propõe a pagar por matrícula efetivada em regime complementar). Simples, comadre. Simples, compadre. E o que vemos são mentiras, alardeadas para fazer o povo acreditar que o governo quer acabar com as Apaes. Na verdade, o que o governo quer é acabar com pagamentos indevidos, com a prática estranha de emendas parlamentares que dispõe de verbas sem levar em conta os serviços prestados. Disso eu gosto, e gosto muito.

Manuel Vazquez Gil é psicólogo, formado pela Universidade Católica de Santos, com doutorado em Psicanálise. Realiza um trabalho voluntário em escolas particulares e públicas da Baixada Santista (chamado “O Dom do Autismo”, hospedado na Associação de Mães e Amigos dos Deficientes – Amadef). O projeto foca nas relações entre escola e família, em capacitação de professores, cursos e palestras sobre inclusão. Manuel é pai de Luan, de 11 anos. Ele é autista, frequenta a escola regular “desde sempre” e vai muito bem, obrigado. O retrato de Manuel, ao lado, foi o menino que fez, quando tinha 5 anos de idade.

Visite: http://www.manuelgil.com.br/


Nota do “Painel” da Folha de S. Paulo: Undime apoia a Meta 4 do PNE
Publicado por Inclusão Já! ⋅ 22/08/2013 ⋅ Deixe um comentário
Arquivado Em  meta 4, PNE, undime
A coluna Painel da Folha de S. Paulo desta quarta-feira (21) publicou nota sobre o atendimento a estudantes com deficiência na rede regular de ensino fazendo referência ao Plano Nacional de Educação, que tramita no Senado. A informação foi publicada na pílula intitulada “Batata… quente”.
De acordo com o jornal, “Integrantes do governo discutem relatório aprovado em comissão do Senado que determina a universalização do atendimento a estudantes com deficiência na rede regular de ensino”.  A nota diz ainda que a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, esteve com o senador José Pimentel (PT-CE), relator do projeto, e reafirmou compromisso da presidenta Dilma em manter decreto que diz que a oferta de educação especial se dará “preferencialmente” na rede regular. Já o Ministério da Educação, acredita que o atendimento deve ser integrado.
A Undime se manifestou em relação a nota publicada e enviou um comentário a seção “Painel do Leitor” da Folha de S. Paulo, assinado pela presidenta, Cleuza Repulho.
“Com relação às notas “Batata Quente” publicadas hoje no Painel da Folha, a Undime, entidade que reúne os gestores responsáveis pela educação pública municipal, manifesta apoio à proposta do Ministério da Educação no que se refere ao texto da Meta 4 do Plano Nacional de Educação. A oferta educacional às crianças com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação deve acontecer na rede regular de ensino. Dessa forma, as entidades assistenciais poderão continuar a cumprir seu papel de oferecer atendimento educacional especializado complementar e suplementar no contraturno.”

Fonte:  http://www.federacaodown.org.br/site/index.php/noticias/370-procura-se-um-grilo-falante-sobre-as-apaes-e-as-mentiras.html

Autismo no Fantástico - Último capítulo


Pessoas com autismo podem trabalhar e levar uma vida comum

Assista o último capítulo da série sobre autismo.
Acesse: http://g1.globo.com/fantastico/videos/t/edicoes/v/pessoas-com-autismo-podem-trabalhar-e-levar-uma-vida-comum/2781397/

domingo, agosto 25, 2013

Vídeo "Todos com Todos!"

Pessoal assistam esse vídeo sobre inclusão. É excelente!
Acesse: http://vimeo.com/25505475



sábado, agosto 24, 2013

CEMESPI na E.B Avelino Werner - Semana da Pessoa com Deficiência

Acesse o blog da escola Avelino Werner e confira!

Endereço: http://ebavelinowerner.blogspot.com.br/2013/08/semana-da-pessoa-com-deficiencia-21-28.html

SEMANA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA – 21 À 28 DE AGOSTO

Durante a Semana da Pessoa com Deficiência na Escola Básica Avelino Werner, está acontecendo diferentes atividades com o objetivo de apresentar a toda comunidade escolar, a importância de valorizar e respeitar as diferenças de cada pessoa diante o seu modo de ser e agir, assim, compreende-se que a escola tem um papel muito importante na vida da criança e do jovem, pois é nela que eles têm a oportunidade de conviver e de se relacionar com diferentes pessoas, aprendendo a perceber que todas têm características próprias, e que nenhuma é igual a outra. Dessa forma, ela vai passar por muitas experiências novas e, assim, vai agir, reagir, mudar sua forma de pensar e criar um jeito próprio de se relacionar com o mundo.
Tivemos a apresentação da peça “LIBRAS NA CARTOLA” realizada por profissionais do CEMESPI (Elisa, Luis e Tatiane) na abertura simbólica da Semana da Pessoa com Deficiência.
 

Entidades declaram apoio à Meta 4 do PNE no Senado

Entidades declaram apoio à Meta 4 do PNE no Senado

Universalizar, para a população de quatro a 17 anos, o atendimento escolar aos estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação na rede regular de ensino, e o que diz a Meta 4 do Plano Nacional de Educação que servirá como diretriz para todas as políticas educacionais do país para próxima década (2011-2020). Preocupado em esclarecer todas as dúvidas sobre a Meta 4 que trata da educação especializada, o vereador e líder do Partido dos Trabalhadores, José Antonio Fernandes Paiva convidou as entidades que trabalham com pessoas com deficiência para dirimir todas as dúvidas sobre  o PNE.
A reunião sobre a Meta 4 aconteceu no Plenário Francisco Antônio Coelho, na Câmara de Vereadores, na tarde de quarta-feira, 21, com a presença da jornalista especializada em educação inclusiva e membro do Fórum Nacional de Educação Inclusiva, Meire Cavalcante, que explicou todas as fases de discussão e toda a legislação vigente sobre a inclusão de alunos com deficiência com idade de quatro a 17 anos no ensino regular.
A discussão só aconteceu devida uma Moção de Apelo ao Congresso Nacional para que não seja aprovada a Meta 4 do PNE, de autoria do vereador tucano Pedro Kawai, que foi adiada por duas vezes para que esta reunião esclarecedora acontecesse. Segundo a Moção, a reclamação teria partido da APAE (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais). Em ofício enviado ao vereador Paiva, a APAE diz que solicitou a presidência da Câmara de Vereadores para que a Moção fosse retirada pelo autor, pois a entidade já estaria conversando com deputados e senadores da República.
Segundo Meire Cavalcante, a APAE poderá continuar atendendo os estudantes no contra turno se for celebrado convênio com o Poder Público, para realizar o AEE (Atendimento Educacional Especializado), ou seja, o aluno de quatro a 17 anos frequentaria uma escola regular durante um período e no outro seria atendido pelas entidades cadastradas que ofereçam o AEE.
O AEE identifica as necessidades de alunos com deficiência, com altas habilidades e com transtornos gerais do desenvolvimento, elabora plano de atuação de AEE propondo serviços e recursos de acessibilidade necessidades de alunos. Produz material para auxiliar o deficiente nas suas necessidades do dia a dia. Adquire e identifica matérias que possam auxiliar os alunos das suas atividades, como software, recursos e equipamentos tecnológicos, mobiliário, recursos ópticos, dicionários e demais equipamentos. Além disso, o AEE acompanha o uso dos materiais na sala de aula do ensino regular frequentado pelo aluno, verifica a funcionalidade e aplicabilidade, os efeitos, as possibilidades, os limites, distorções do uso na sala de aula, na escola e na casa do aluno. O AEE orienta também os professores do ensino regular e a família dos alunos a utilizar os materiais e recursos de uma maneira que beneficie o deficiente, além de fornecer formação continuada aos professores.
Participaram da reunião representantes das seguintes pessoas e entidades: Vanessa Souto (Diretora do Núcleo de Educação Especial da Secretaria Municipal de Educação), Ana Cristina Fiore (Responsável pela Educação Especial da Diretoria Regional de Ensino), Marinelza da Silva (Coordenadora do IMA – Informação, Monitoramento e Avaliação da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social), Fernando Ferraz Domingues (Presidente do COMDEF – Conselho Municipal de Proteção, Direitos e Desenvolvimento da Pessoa com Deficiência), Euclídia Maria Fioravante (Espaço Pipa – Síndrome de Down), Angela Calori Dorini (APASPI – Associação de Pais e Amigos dos Surdos de Piracicaba), Ilário Correr (Presidente do Centro de Reabilitação de Piracicaba), Maria Luiza Zolini (Coordenadora Pedagógica do Centro de Reabilitação de Piracicaba), Priscila Rocha (AUMA – Associação de Pais e Amigos dos Autistas de Piracicaba), Roberta Iara Maria Lima e Janete Sallum (Representando a APEOESP – Associação dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), Maria José Bellari Felipe (AVISTAR – Associação de Assistência aos Portadores de Necessidades Especiais – Visão) e os vereadores José Antonio Fernandes Paiva (PT) que presidiu a reunião, Gilmar Rotta (PMDB), Matheus Antônio Erler (PSC), Gilmar Tanno (PSDB), Francisco Almeida (PT), Paulo Sérgio Camolesi (PV) e o presidente da Câmara de Vereadores, João Manoel dos Santos (PTB).
Após a explanação do vereador Paiva, dos vereadores, da jornalista Meire Cavalcante e das entidades presentes, ficou decidido que será apresentada hoje , 22, em caráter de urgência na sessão ordinária uma Moção de Apelo para que seja aprovada pelo Congresso Nacional o texto original da Meta 4 do Plano Nacional de Educação  e de Apoio à redação dada à Meta 4 do Plano Nacional de Educação (PNE) pelo relator Senador José Pimentel em seu parecer na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) ao Projeto de Lei da Câmara (PLC) nº 103/2012 (Projeto de Lei – PL nº 8.035, de 2010, na origem).
Texto: Ronaldo Castilho – MTB: 58.297
Fotos: Fabrice Desmonts
Fonte: Gabinete do Vereador José Antônio Fernandes Paiva

sexta-feira, agosto 23, 2013

Sala das sensações na E.B. Judith Duarte de Oliveria

 Sala das Sensações emociona o público em Itajaí 

Conheça um trabalho que está sendo feito em Itajaí em uma escola do bairro Itaipava, na Semana da Pessoa com Deficiência. Os professores montaram a sala das sensações, um local aonde todas as pessoas podem sentir na pele o que sentem os deficientes. Professora Carla!

 Acesse: http://ricmais.com.br/sc/meio-dia-itajai/sala-das-sensacoes-emociona-o-publico-em-itajai/


quinta-feira, agosto 22, 2013

Semana da Pessoa com Deficiência

O CEMESPI continua com atividades diferenciadas nessa semana!

Equipe diretiva no credenciamento
Equipe diretiva no credenciamento
Equipe CEMESPI
Exposição dos materiais elaborados pela Produção de Materiais
Visita à Casa da Cultura - Conexão Arte na Escola
 
 
 
 
 
Visita das Unidades Escolares ao CEMESPI

Faça balões de quadrinhos e trabalhe a comunicação de uma forma lúdica

19/08/2013 por 1
Incentivar a fala, trabalhar aspectos específicos da linguagem, trabalhar a socialização… vários podem ser os objetivos gerais e específicos para quem usar desse recurso terapêutico. Quem olhar para ele de cara vai lembrar daqueles balões de quadrinhos e é assim que se quer que ele pareça, um objeto que lembre e estimule a comunicação.
Quer aprender a fazê-lo? Vamos lá!


cartolina


papel

feito1


feito2

As imagens deixam claras as etapas e os materiais. Você vai precisar de papelão, cartolina ou qualquer outro papel branco e hidrocor para as bordas. Caso você queira, faz um apoio para o suporte do balão, nas imagens usaram pedacinho de madeira, mas você pode não ter suporte, a pessoa segura seu balão e pronto!!
Pode-se trabalhar entre terapeuta e cliente; cliente e familiar/cuidador; entre clientes em grupo. O jogo pode ser de bolar perguntas e respostas. Ou uma pergunta que cada um do grupo tenha uma resposta diferente. Enfim, isso depende do objetivo do uso do material!

Fonte:  http://www.reabilitacaocognitiva.org/2013/08/10902/