domingo, setembro 08, 2013

Teatro adaptado para pessoas com deficiência

Teatro adaptado para pessoas com deficiência em comunidades cariocas

Até 13 de setembro, cariocas poderão conferir a peça “Ninguém mais vai ser bonzinho – Em Esquetes”. O espetáculo conta com intérprete de Libras, legenda, audiodescrição, programas em braile.
Publicada em 06 de setembro de 2013 - 17:15
Atores estão em cena

Entre os dias 30 de agosto e 13 de setembro, moradores da Favela do Fumacê, Caçapava, Cidade de Deus, Complexo do Alemão e Caju, no Rio de JaneiroSite externo., poderão conferir a peça “Ninguém mais vai ser bonzinho – Em Esquetes”. O espetáculo conta com intérprete de Libras, legenda eletrônica, audiodescrição das cenas, programas em braile, visita guiada ao cenário, atendimento prioritário para pessoas com deficiência e reserva de assentos para pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida.
A peça, que tem entrada gratuita,  é encenada pelo grupo Os Inclusos e os Sisos, projeto de arte e transformação social da Escola de Gente. Além das apresentações, o público também poderá participar de Oficinas de Teatro Acessível, as vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas através do e-mail escoladegente@escoladegente.org.br.

Sinopse
Quatro pessoas se conhecem num ônibus após um sequestro, entre elas, uma com síndrome de Down, que está fugindo de casa em busca de mais autonomia. Perdido, e sem qualquer perspectiva de ajuda, o grupo precisa encontrar uma maneira de sair da enrascada, sob o perigo iminente da volta dos bandidos. A peça traz uma reflexão importante sobre a superproteção da família em relação a adolescentes e jovens com síndrome de Down, com um texto que traduz o esforço de pessoas nascidas com essa condição genética para terem voz própria, serem ouvidas dentro de suas casas, por suas famílias, ao expressarem suas ideias e desejos.

Fonte:  Logotipo do Vida Mais Livre 
http://vidamaislivre.com.br/noticias/noticia.php?id=7754&/teatro_adaptado_para_pessoas_com_deficiencia_em_comunidades_cariocas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião: