quinta-feira, junho 16, 2016

Binóculos colorido

A criança com deficiência visual apresenta dificuldades para perceber objetos dentro de um determinado campo visual, portanto deve ser visualmente estimulada movendo-se objetos fortemente coloridos em direção à ela, até que esta demonstre, através de seu comportamento, ter percebido o objeto. Os pais/profissionais podem ajudar a estimular o uso da visão pela criança, segurando objetos dentro dessa distância.

A forma mais primitiva de experiência per­ceptiva é a percepção das relações figura-fundo. No momento em que o bebê abre seus olhos e fixa a visão em um objeto ele está prestando atenção em um aspecto do ambiente e deixando todo o resto se distanciar como fundo. As relações de figura-fundo formam a base de todas as outras formas de percepção. A ação motora, através do movimento e do toque, reforça a atenção visual da criança, permitindo, assim, que ela explore e manipule o ambiente. Enquanto a criança usa o movimento e o toque para desenvolver relações de dimensão horizontal e vertical, são desenvolvidas a percepção de forma e a constância perceptiva. Através de movimentos oculares na horizontal e vertical, movimentos manuais e das pernas, o bebê experimenta as linhas e as formas que vê e toca, isso muitas vezes não acontece com o bebê com deficiência visual, fazendo-se necessário estimular, ensinar tais movimentos.
 Na medida em que a criança desenvolve maior controle motor e perceptivo, os olhos se juntarão às mãos para explorar melhor o ambiente tridimensional. A interação de mãos e olhos inicia o longo processo de refinamento do controle motor fino. A visão lidera esse processo. Essa interação entre mãos e olhos permite que a criança desenvolva níveis mais altos de percepção e reconhecimento de formas, da mesma maneira que o sistema motor a capacitou a estabelecer a experiência visual de forma e direção. Aos dez meses, a criança segurará fortemente um objeto com as mãos, olhará para ele e o levará à boca, porque, para o bebê, as primeiras experiências foram originadas pela ação oral. No segundo ano de vida, a criança simplesmente observa o objeto enquanto o manuseia. Neste estágio, a visão foi previamente combinada através do motor e foi educada para discernir em um novo nível. Alcançando todos esse níveis a criança é capaz de escolher o que quer brincar e consequentemente dar função para este brinquedo.

William V. Padula, O.D.
Susan J. Spungin, Ed. D.

 http://www.ibc.gov.br/?itemid=109

Aqui você verá uma forma divertida de realizar esse estímulo para a criança que apresenta baixa visão.

Professora AEE: Eliane Venturella
Educando: João Gabriel
Binóculos colorido

Materiais:
  • Rolo de papal higiênico;
  • Elástico de dinheiro;
  • Papel celofane.

Objetivos:

  • Estimulação visual por meio da movimentação ocular lateral e vertical na busca da luminosidade da lanterna e sem ela;
  • Fixação visual em objetos (percepção de forma e a constância perceptiva)
  • Relação figura-fundo;
  • Interação entre mãos e olhos.
OBS: Este trabalho também pode ser realizado com crianças sem deficiência visual. Muda o objetivo, ou seja: percepção do mundo de forma diversificada por meio das cores, resiliência, mudança de foco, ampliar possibilidades, abstração e novas descobertas.

 Educanda: Júlia


Primeiro trabalhamos um olho de cada vez

Agora ambos os olhos com o estímulo de utilizar as mãos na linha média

Percepção das cores das plantas

O que tem no céu? Que cor é o céu?
Olha! Um passarinho!
Confira o vídeo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe sua opinião: